Prémio Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias - 2018
Seja o "eco" da SPECO

Iniciativas

Filipa Filipe, o Eco da SPECO que pretende ligar a Ecologia à Engenharia Florestal

 

Filipa Filipe, novo Eco da SPECO, é Presidente da APEF - Associação Portuguesa de Engenharia Florestal e aluna do mestrado em Engenharia, Gestão Florestal e dos Recursos Naturais, no Instituto Superior de Agronomia. A sua formação base e a associação a esta iniciativa demonstra a multidisciplinaridade da Ecologia e coloca-a com ciência agregadora de vários campos do saber.

 

SPECO: De onde parte o Eco?

FF: Embora vivendo em Lisboa o contacto com a natureza sempre fez parte da minha vida e sempre influenciou a forma como vejo o mundo. Sendo Portugal um país pequeno em área, a sua diversidade de ecossistemas é grande, mas nem sempre conservados e protegidos das formas mais correctas. Esta realidade a que fui exposta desde muito cedo permitiu-me perceber a responsabilidade que cada um de nós tem para manter em equilíbrio a relação entre Homem e Natureza, conservando a natureza e vivendo de forma cada vez mais sustentável. A escolha de estudar Engenharia Florestal e dos Recursos Naturais, no Instituto Superior de Agronomia, deveu-se ao desejo de tentar perceber a fundo de que formas se pode actualmente tornar a floresta num espaço ecologicamente protegido mas também ao mesmo tempo num espaço que seja economicamente rentável para o país.

 

SPECO: O que a motivou a candidatar-se?

FF: A Associação Portuguesa de Estudantes Florestais (APEF) tem como um dos seus principais objectivos o desenvolvimento de relações académicas e profissionais na área das ciências florestais. Fez por isso, para a APEF, todo os sentido candidatarmo-nos ao programa “Eco da SPECO” como meio para uma aprendizagem multidisciplinar e que relacione temas tão actuais na nossa sociedade como a Floresta, o Meio Ambiente e a Ecologia.

 

SPECO: Como espera levar a Ecologia mais longe?

FF: É nosso desejo que a relação que começa agora entre a APEF e a SPECO seja duradoura e que contribua para uma melhor educação ecológica da sociedade.
Através da nossa participação no “Eco da SPECO” esperamos mostrar qual o papel que a Engenharia Florestal tem na conservação de ecossistemas florestais, desmistificando ideias preconcebidas sobre a profissão e sobre a importância de existir um cada vez maior conhecimento específico sobre ciências florestais e ecologia.

"Espero levar a Ecologia mais longe ao trazê-la para perto das pessoas que me rodeiam", o que levou Rúben S. de Oliveira a ser em Eco da SPECO

 

A SPECO falou com Rúben S. Oliveira, novo Eco da SPECO, para saber o que o motivou-se a candidatar-se a esta iniciativa.

Depois da sua formação em Biologia, enveredou pela área da comunicação de ciência e organização de eventos que visem a educação não-formal de públicos especializados e não especializados em ciência. Desempenha estas funções na SPECO, no cE3c - Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Climáticas e no festival Pint of Science Portugal.

 

SPECO: De onde parte o Eco?

RSO: Desde cedo que o meu interesse pelas áreas do ambiente e ciências naturais se fez notar. Felizmente, a minha curiosidade acerca da Natureza sempre foi satisfeita ao longo do tempo, o que acabou por culminar na minha decisão em tornar-me biólogo, para saber mais e ir mais longe. A minha formação em Biologia da Conservação permitiu-me não só enquadrar objectivamente a biodiversidade e ecologia no fascínio que já me despertavam, mas também acordar para a necessidade e importância de contribuir para que todos possam partilhar deste sentimento. Foi assim que abracei a comunicação de ciência e a construção da ligação entre a Ciência e a sociedade, como força motriz para a consciencialização e aproximação destes dois campos que só juntos poderão progredir.

 

SPECO: O que o motivou a candidatar-se?

RSO: O facto da própria iniciativa ter como premissa o aumento da divulgação da SPECO e, portanto, de todas as causas que defende, que partilho, e que estão, sem dúvida alguma, na ordem do dia. O “Eco da SPECO” permite criar desafios conjuntos que motivem quer a SPECO, quer eu próprio, a fazer mais em prol dos nossos objectivos comuns. Sendo mais, e trabalhando juntos, acredito que tanto o “Eco” como a SPECO irão beneficiar desta relação, assim como todos os que aderirem e partilharem experiências connosco.

 

SPECO: Como espera levar a Ecologia mais longe?

RSO: Espero levar a Ecologia mais longe ao trazê-la para perto das pessoas que me rodeiam. Irei procurar desenvolver iniciativas que permitam fascinar o público não-especializado com a Ecologia e com a Ciência em si mesma, de modo a promover a mudança de comportamentos e a adopção de atitudes mais conscientes para com os problemas ambientais que o mundo atravessa. A Ecologia agrega tantas oportunidades como desafios, e todos temos de saber interpretá-los da melhor forma, fazendo uso do conhecimento e de informação credível para formular opiniões e tomar decisões.

Está a pensar candidatar-se ao Prémio de Doutoramento em Ecologia? “Não pensem duas vezes.”: a entrevista a Ricardo Rocha

 

 

A SPECO entrevistou Ricardo Rocha - vencedor do primeiro prémio na primeira edição do Prémio de Doutoramento em Ecologia - para saber o que há a dizer aos jovens ecólogos portugueses que estão a pensar candidatar-se em 2018. Na fotografia, Ricardo Rocha com morcego da espécie Phyllostumus hastatus (autoria de Oriol Massana).

 

SPECO: O que o levou a concorrer ao prémio?

RC: Foram muitas as razões que me levaram a concorrer ao prémio Amadeu Dias. As principais talvez tenham sido o desejo de ver o trabalho reconhecido e a possibilidade de poder partilhar esta distinção com os meus orientadores e colegas de projeto. Mas, além disto, achei que o prémio era importante por uma outra razão: foram muito poucos os cientistas portugueses negros com quem me cruzei enquanto estudava. Vi este prémio como uma oportunidade para mostrar que a ciência em Portugal pode ser mais diversa. Muito se fala na importância da diversidade de género, e no quão importante é ter cientistas do sexo feminino que sirvam de inspiração a jovens investigadoras. A meu ver, o mesmo se aplica às comunidades afro-europeias, onde eu me insiro, e aos outros grupos menos representados na nossa sociedade. O prémio pareceu-me uma excelente oportunidade de servir de inspiração a outros que se autoidentificam como pertencentes a grupos étnicos e raciais pouco representadas na comunidade científica portuguesa.

 

SPECO: Qual foi o impacto que o prémio teve para a sua carreira científica?

RC: O prémio foi atribuído há apenas um ano, pelo que imagino que eventuais consequências do mesmo sejam sentidas mais a jusante. No entanto, no imediato usei o dinheiro do prémio para participar no congresso anual da Association for Tropical Biology and Conservation, que irá decorrer em Julho na ilha do Bornéu. Aí irei apresentar o meu trabalho de doutoramento e, juntamente com o meu colega Adrià Lopez-Baucells, irei organizar um simpósio sobre ecologia e conservação de morcegos tropicais.

 

SPECO: O que recomendaria a todos os que possam estar na dúvida de concorrerem?

RC: Que não pensem duas vezes. Estes prémios são super importantes para a carreira de jovens investigadores. Agora estou a trabalhar no Reino Unido onde existem vários prémios para estudantes de doutoramento. Infelizmente em Portugal as oportunidades são mais escassas, o que nos deixa numa posição de desvantagem quando estamos a competir por posições e bolsas no contexto internacional. Tanto pelo prémio monetário como pelo prestígio, o prémio Amadeu Dias é uma enorme mais valia para o CV de qualquer jovem cientista e, como tal, aconselho que todos aqueles que se considerem elegíveis se candidatem. Com isso valorizam não só o seu trabalho, mas também a ciência feita em Portugal.

Ecology Day 2018

logo ecology day 30 05 2017

 

Missão

O Ecology Day pretende dar maior visibilidade à Ecologia feita em Portugal, aos trabalhos e caminhos que esta ciência holística aponta, rumo à construção de um desenvolvimento humano mais sustentável.

 

Data

14 de Setembro de 2018 ou pelo menos entre 13 e 16 de Setembro de 2018.

 

Actividades possíveis

Visitas guiadas, seminários, palestras, workshops de trabalho, filmes temáticos e comentados.

  1. Promovendo eventos na vossa instituição;
  2. Promovendo eventos noutras instituições ou em colaboração com outras instituições;
  3. Apoiando a divulgação ou patrocinando atividades.

 

Público-alvo

Sociedade, empresas, cientistas, grupos escolares, famílias…

 

Divulgação 

A SPECO divulgará as actividades através do seu site, mapeando-as e organizando-as, difundindo-as através dos seus emails de contacto e redes sociais, Facebook e Twitter. Qualquer divulgação terá de contemplar o logo da SPECO e do EcologyDay já aceite a nível europeu.

 

 

Consulte aqui o artigo publicado por Maria Amélia Martins-Loução - Presidente da SPECO - na revista Web Ecology: