Prémio Doutoramento em Ecologia - Fundação Amadeu Dias - 2018
Seja o "eco" da SPECO

Está a pensar candidatar-se ao Prémio de Doutoramento em Ecologia? “Não pensem duas vezes.”: a entrevista a Ricardo Rocha

 

 

A SPECO entrevistou Ricardo Rocha - vencedor do primeiro prémio na primeira edição do Prémio de Doutoramento em Ecologia - para saber o que há a dizer aos jovens ecólogos portugueses que estão a pensar candidatar-se em 2018. Na fotografia, Ricardo Rocha com morcego da espécie Phyllostumus hastatus (autoria de Oriol Massana).

 

SPECO: O que o levou a concorrer ao prémio?

RC: Foram muitas as razões que me levaram a concorrer ao prémio Amadeu Dias. As principais talvez tenham sido o desejo de ver o trabalho reconhecido e a possibilidade de poder partilhar esta distinção com os meus orientadores e colegas de projeto. Mas, além disto, achei que o prémio era importante por uma outra razão: foram muito poucos os cientistas portugueses negros com quem me cruzei enquanto estudava. Vi este prémio como uma oportunidade para mostrar que a ciência em Portugal pode ser mais diversa. Muito se fala na importância da diversidade de género, e no quão importante é ter cientistas do sexo feminino que sirvam de inspiração a jovens investigadoras. A meu ver, o mesmo se aplica às comunidades afro-europeias, onde eu me insiro, e aos outros grupos menos representados na nossa sociedade. O prémio pareceu-me uma excelente oportunidade de servir de inspiração a outros que se autoidentificam como pertencentes a grupos étnicos e raciais pouco representadas na comunidade científica portuguesa.

 

SPECO: Qual foi o impacto que o prémio teve para a sua carreira científica?

RC: O prémio foi atribuído há apenas um ano, pelo que imagino que eventuais consequências do mesmo sejam sentidas mais a jusante. No entanto, no imediato usei o dinheiro do prémio para participar no congresso anual da Association for Tropical Biology and Conservation, que irá decorrer em Julho na ilha do Bornéu. Aí irei apresentar o meu trabalho de doutoramento e, juntamente com o meu colega Adrià Lopez-Baucells, irei organizar um simpósio sobre ecologia e conservação de morcegos tropicais.

 

SPECO: O que recomendaria a todos os que possam estar na dúvida de concorrerem?

RC: Que não pensem duas vezes. Estes prémios são super importantes para a carreira de jovens investigadores. Agora estou a trabalhar no Reino Unido onde existem vários prémios para estudantes de doutoramento. Infelizmente em Portugal as oportunidades são mais escassas, o que nos deixa numa posição de desvantagem quando estamos a competir por posições e bolsas no contexto internacional. Tanto pelo prémio monetário como pelo prestígio, o prémio Amadeu Dias é uma enorme mais valia para o CV de qualquer jovem cientista e, como tal, aconselho que todos aqueles que se considerem elegíveis se candidatem. Com isso valorizam não só o seu trabalho, mas também a ciência feita em Portugal.