Como é que o montado pode lutar contra as alterações climáticas?

"Uma das imagens de marca do Alentejo é o montado, muitas vezes, adornado por sombras majestosas de sobreiros ou azinheiras. Mas esta paisagem pode ser afectada pelas alterações climáticas. Afinal, o montado é um ecossistema que domina nas zonas semiáridas, onde a água disponível para as plantas já é limitada, o que torna estas áreas vulneráveis à desertificação. Portanto, Alice Nunes – do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) da Universidade de Lisboa – quis perceber o que estava a acontecer no montado e observou as funções desempenhadas pelas plantas. É com elas que pretende declarar guerra às alterações climáticas."

 "O que é ao certo o montado? O Livro Verde dos Montados (editado em 2013 pelo Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrâneas da Universidade de Évora) define-o assim: “Originalmente classificado como um sistema agro-silvo-pastoril e descrito como um sistema multifuncional onde se equilibram e conjugam as actividades agrícolas, pecuária e florestal, devido ao decréscimo de importância das culturas sob coberto, o montado tende a ser considerado como um sistema silvo-pastoril.

No Sul de Portugal, o montado tem mais de um milhão de hectares. E espalha-se por grande parte do Alentejo e por uma área significativa da Beira Baixa Interior e da serra algarvia. “Tratando-se de um sistema ecológico desenvolvido pelo homem, o montado foi sendo aperfeiçoado ao longo do tempo em Portugal, de modo a melhorar o aproveitamento e a rentabilização dos escassos recursos numa região caracterizada por um clima mediterrânico e solos pobres”, refere a mesma publicação, alertando que as árvores têm vindo a diminuir e não tem existido uma renovação."

 

Leia a notícia que foca o trabalho desenvolvido por Alice Nunes, vencedora do 2º lugar na edição de 2017 do Prémio de Doutoramento em Ecologia Fundação Amadeu Dias.