Mais informaçoes: info@speco.pt

As alterações climáticas em Portugal e no mundo

Entrevista a Wolgang Cramer, especialista mundial em alterações climáticas

Para Wolgang Cramer, "a quantidade de emissões de gases de estufa a que nos permitimos com a aviação é absurda".

De avião, a deslocação entre Montpellier, em França, e Lisboa dura cerca de cinco horas — com uma escala em Paris. De comboio, o mesmo percurso demora mais do triplo do tempo — a rota mais directa é Montpellier-Madrid-Lisboa. Além do tempo de viagem, há outra diferença considerável: a quantidade de gases com efeito de estufa emitidos é muito inferior quando se opta pelo comboio em detrimento do avião. É por isso que Wolfgang Cramer, director científico no Instituto Mediterrânico de Biodiversidade e Ecologia (em Aix-en-Provence, França), opta pelo transporte ferroviário sempre que pode. Foi assim que se deslocou até Lisboa, para participar no Congresso da Federação Europeia de Ecologia, que decorre até amanhã [2 de Agosto de 2019] na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. O PÚBLICO é media partner do evento que tem como mote A Incorporação da Ecologia nos Objectivos do Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas para 2030.

Em entrevista ao PÚBLICO, o investigador que também trabalha com o Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC, na sigla inglesa) fala sobre a responsabilidade dos governos, da importância da agricultura, da inevitabilidade dos fenómenos de calor extremo e avisa que o degelo da Gronelândia e da Antárctida têm mais impacto no Mediterrâneo do que se julgava.

 

PÚBLICO - Para limitar o aumento da temperatura a 1,5 graus Celsius, como o último relatório do IPCC já disse que era possível, serão necessárias grandes mudanças. O que é que está nas nossas mãos?

O objectivo final é reduzir a emissão de gases com efeito de estufa para a atmosfera e as formas clássicas são reduzir qualquer processo que liberte estes gases — por exemplo, conduzir, viajar de avião, aquecimento, isolamento das casas, comprar muito lixo que depois deitamos fora. Mas mesmo isso não será su􀃆ciente. E, claro, há a questão de quão longe podemos ir. As outras coisas que temos de encorajar são maneiras de armazenar os gases com efeitos de estufa no sistema. Aí chegamos à agricultura, que de momento é vista como o mau da fita, porque muitas das emissões vêm desta actividade. Mas podemos transformá-la para que se torne numa maneira de ajudar a resolver o problema. Isso leva-nos também aos solos, que são igualmente importantes. Não precisamos de novas tecnologias, só temos de aplicar as que já existem. O que o consumidor também pode fazer é comprar produtos que tenham pouco impacto no clima.

 

PÚBLICO - Mas é possível termos agricultura que produz o suficiente para alimentar toda a gente e que também é sustentável?

Acho que sim, se olharmos para isso a uma escala global. A questão não é tão relevante para cada país. Não vejo por que é que Portugal deva ser completamente independente da Espanha ou vice-versa. Estamos na Europa. Não acho que o argumento da auto-suficiência ocorra ao nível nacional. Será mais ao nível europeu. Por exemplo, Espanha, França, Reino Unido e Dinamarca estão a produzir mais carne para exportar para a China. Qual é a finalidade? Não vejo.

 

PÚBLICO - E o que é que os governos podem fazer?

No caso da agricultura, podem incentivar a adopção de práticas mais amigas do ambiente ao nível nacional e europeu. Noutros sectores, como a aviação, acho que a quantidade de emissões de gases com efeito de estufa a que nos permitimos é absurda. Não há justificação nenhuma para isso. Eu quero muito marcar esta ideia, por isso vim na noite passada de comboio de Madrid para Lisboa [demora cerca de 11 horas]. Poderia facilmente haver um comboio de alta velocidade que fizesse esse percurso em quatro ou cinco horas. Por exemplo, a primeira parte do percurso que fiz de Montpellier para Madrid foi um comboio de alta velocidade, extremamente confortável. E claro que leva mais tempo do que voar, mas temos de perceber que não podemos suportar esta quantidade de emissões. Não é possível. As pessoas voam, muitas vezes porque é mais rápido, mas também porque é mais barato. Não há razão para que seja assim.

 

 

PÚBLICO - É curioso que diga isso já que, em Portugal, se está precisamente a discutir a construção de um novo aeroporto no Montijo, perto de Lisboa. Isto parece ir contra aquilo que sugere.

Estamos num ponto na Europa em que os decisores políticos perceberam que precisam de tributar mais as viagens de avião e que precisam de providenciar outras alternativas. Eu não tenho uma posição científica, mas acredito que os governos fazem muito para não encorajar as viagens de avião e reduzi-las. Podia apostar-se numa rede de comboio de alta velocidade. Acho que depois a questão da necessidade de investimento num novo aeroporto muda muito rapidamente, porque é algo muito caro. Em França, tinham um plano para melhorar e transferir o aeroporto na cidade de Nantes. Foi um projecto com 20 anos e houve muita resistência contra isso. No final, acabou por não ser construído. Se perguntar o que é que as pessoas podem fazer, eu diria: “Votem em partidos que não constroem novos aeroportos.” As pessoas não devem acreditar no argumento que a economia está a beneficiar. É uma mentira.

 

PÚBLICO - Nas últimas semanas na Europa assistimos a temperaturas extremas em vários países. Podemos culpar as alterações climáticas?

Podemos. A razão é que talvez seja um bocadinho complicada de comunicar. Os críticos dizem que já tivemos períodos muito quentes antes. No entanto, já foram feitos estudos muito robustos sobre a probabilidade de tais ondas de calor ocorrerem. A conclusão é que há cem anos a probabilidade de tal onda de calor chegar aos 40 graus Celsius em Paris não era zero mas era muito baixa. Agora, é muito mais elevada. Pelo menos dez vezes maior. Ainda podíamos ter uma onda de calor muito intensa no começo do século XX, mas o facto de acontecer agora é ainda mais provável. O mecanismo que a causa é muito claro. Há mais gases com efeito de estufa e, por isso, mais calor está a ficar preso na atmosfera.

 

PÚBLICO - Assim sendo, podemos esperar mais eventos destes?

Sim.

 

PÚBLICO - E há forma de mitigar este tipo de fenómenos?

No que diz respeito à atmosfera, a única forma de mitigar é retirar os gases de efeito de estufa. Depois podemos perguntar-nos sobre adaptação. Há sempre duas faces da moeda, que são adaptação e mitigação. Por vezes, as pessoas não querem falar de adaptação, porque dizem que fazê-lo significa que já se desistiu da mitigação. Mas esse é um falso argumento. Temos de olhar para as duas coisas. No que diz respeito à adaptação, muito mais pode ser feito e muito tem de ser feito.

 

PÚBLICO - Por exemplo?

Adaptação não quer dizer mais ar condicionado, mas construir melhor as nossas casas, isolá-las melhor. Também tem a ver com ordenar as cidades de maneira diferente, ter mais espaços verdes que produzem ar fresco durante a noite. Há muitas formas de adaptar. O que é interessante é que outras partes da Europa vão poder aprender com Portugal, porque vão ter um clima que vocês sempre tiveram. Lembro-me que em Berlim havia uma discussão sobre como adaptar o maior hospital universitário às alterações climáticas. Eu disse: vão a qualquer hospital em Espanha e Portugal e olhem para o que eles fazem. Não é preciso inovação.

 

PÚBLICO - Uma das grandes preocupações neste momento em Portugal são os incêndios. E há um relatório da WWF que diz que, até ao fim do século, os incêndios em Portugal vão aumentar 40%. Isto é inevitável?

Eu acho que não. Pode ser evitado, porque os fogos não acontecem só por causa do calor e do tempo seco. São muito mais uma questão do tipo de árvores que temos, onde e como é que são geridas. Toda a zona Norte do Mediterrâneo, Portugal incluído, permitiu que muita floresta cresça onde não existia antes (pelo menos nos últimos séculos). Em vez disso, existia pastoreio para cabras e ovelhas e eram esses animais que protegiam contra os incêndios. A questão agora é que tipo de agricultura queremos. É algo muito difícil de gerir em termos políticos. Se a paisagem estiver cheia de árvores, nem com os melhores bombeiros podemos parar os fogos. Mas se a paisagem for bem gerida e existir uma boa protecção contra incêndios o risco vai ser muito menor.

 

PÚBLICO - Em 2017, arderam 500 mil hectares em Portugal. Qual é o impacto dessa destruição na biodiversidade?

Depende muito do que estava lá antes e no que passa a estar depois. Na Alemanha, por exemplo, há áreas onde ventos muito fortes destruíram a floresta. A decisão foi não fazer nada e deixar a natureza controlar. Não é possível fazer isso em todo o lado, mas significa que qualquer paisagem pode ser gerida para maior biodiversidade. Acho que grandes áreas podem ser mais bem geridas para maior biodiversidade. Na agricultura, a questão é: permitimos grandes quintas com muitos cereais ou encorajamos os agricultores, ao auxiliá-los financeiramente, a diversificar. Isso tem um grande impacto.

 

PÚBLICO - Contribui há muito tempo para o IPCC, participa na elaboração dos relatórios quase desde o início. O que retira dessa experiência?

Já faz parte da minha vida. Acho que é uma forma fantástica de conhecer colegas que querem garantir que os seus trabalhos são usados pelos decisores políticos. Também tem sido uma oportunidade de conhecer decisores políticos. Isso agrada-me muito. No próximo relatório, também tenho uma tarefa muito interessante — além de ser parte da equipa que escreve a introdução. Vai haver um pequeno capítulo, que é parte do relatório, sobre o Mediterrâneo. Eu coordeno-o com um colega do Egipto. São 20 páginas do relatório em que podemos escrever sobre este tema.

 

PÚBLICO - Pode adiantar alguma coisa sobre o que será o conteúdo desse capítulo?

Escrevemos um artigo científico na revista Nature Climate Change sobre a aceleração e os riscos [das alterações climáticas no Mediterrâneo]. É nesse ponto que estamos neste momento. Ainda temos tempo e vai surgir mais conhecimento, mas essencialmente vamos dizer a mesma coisa. O que eu acho que é importante e também é algo em que quero insistir na minha sessão aqui na quinta-feira [hoje no congresso] é que há uma série de ligações entre o que acontece noutros sítios do mundo e o que se passa no Mediterrâneo. Pessoalmente, acho que a maior é o degelo da Gronelândia e da Antárctida. O impacto tem sido sempre subestimado. Estamos a ver agora que a Gronelândia em particular, mas também a Antárctida, estão a derreter muito mais rapidamente do que se pensava. Até agora, o IPCC dizia que o nível da água do mar podia subir entre 60 e 80 centímetros até ao fim do século. Mas acho que esse número está subestimado de forma dramática. Pode ser algo entre um e dois metros em todo o mundo. Cidades como Veneza e Alexandria vão desaparecer. Mas pior do que isso (ou igualmente mau) é que muita da agricultura do Mediterrâneo está nos estuários dos rios. Estamos preocupados com os nossos próprios países, mas se pensarmos no Egipto, é o desastre total. Se o nível do mar subir dois metros, eles deixam de ter o delta. E isso vai prejudicar milhões de pequenos agricultores no Egipto.

 

 

Fonte: Público - https://www.publico.pt/2019/08/01/ciencia/entrevista/quantidade-emissoes-gases-estufa-permitimos-aviacao-absurda-1881906

Artigo de Rita Marques Costa.