top of page
  • Foto do escritorSPECO

"Alterações Climáticas e Desertificação: como pode o Baixo Alentejo preparar-se para enfrentar fenómenos adversos?"


Decorreu no dia de ontem um evento no âmbito do projecto REA Alentejo sobre "Alterações Climáticas e Desertificação: como pode o Baixo Alentejo preparar-se para enfrentar fenómenos adversos?".

Este evento decorreu no Centro de Incubação de Base Tecnológica (CIBT NERBE), em Beja, tem como promotor a ADPM Mértola e contou com a divulgação de dados inéditos sobre a desertificação e fenómenos climáticos extremos no Baixo Alentejo, bem como sobre os resultados do projeto e a apresentação de outros projetos do mesmo âmbito.




Aproveitamos esta notícia para recordar uma outra notícia publicada no Agricultura & Mar, no dia 17 de março de 2023, com o título "Baixo Alentejo com 94% de susceptibilidade à desertificação. REA Alentejo promove a reabilitação dos ecossistemas".


"Cerca de 94% da NUTS (Nomenclatura das Unidades Territoriais para Fins Estatísticos) Baixo #Alentejo é susceptível à #desertificação. A informação divulgada hoje, 17 de Março, pelo REA Alentejo, um projecto promovido pela #ADPM — Associação de Defesa do #Património de Mértola, dá conta de que a NUTS Baixo Alentejo, que compreende 13 concelhos — entre os quais #Beja, #Mértola e #Serpa —, apresenta 38% do seu #território com susceptibilidade crítica à desertificação, 35% muito elevada e 21% elevada (e apenas 5% moderada e 1% reduzida). Já na margem esquerda do #Guadiana, os valores sobem quase aos 100%, com 96% da área susceptível à desertificação (32% crítica, 37% muito elevada e 27% elevada)."


"...o projecto tem como principal objectivo criar um modelo replicável que permita restaurar a produtividade #agrícola e #florestal nas zonas semiáridas do sudeste de #Portugal, que potencie uma melhoria da saúde do #solo, do funcionamento dos #ecossistemas e, consequentemente, da qualidade de vida das #comunidades rurais."


"Promovido pela Associação de Defesa do Património de Mértola, o REA Alentejo conta ainda com a parceria de várias organizações académicas e governamentais, como a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (Nova FCSH), a Junta de Freguesia da Cabeça Gorda (JFCG) e a Câmara Municipal de Barrancos (CMB), em colaboração com o DRAAL — Centro de Experimentação do Baixo Alentejo."





Saudações ecológicas.

Posts Relacionados

Ver tudo
bottom of page