As Mulheres da SPECO

Dia Internacional da Mulher 2021

Como alcançar um mundo mais igualitário? Celebrando os sucessos femininos, criar consciencialização da existência de preconceito e enviesamento. Tomar acção para alcançar a igualdade.
Estes é o tema da campanha do Dia internacional da Mulher 2021. #ChooseToChallenge

 

Em ciência a presença de mulheres continua a crescer, no entanto a percentagem masculina continua a ser superior à feminina, e esta diferença é ainda mais evidente em cargos de chefia e outros cargos superiores.
#ChooseToChallenge – Mostrar e celebrar o trabalho das mulheres em STEM. Modelos femininos são cruciais para a escolha de carreira de jovens mulheres e para a retenção feminina em grupos de investigação.[3]

Na área da Biologia, na Europa 35,8% do corpo académico é constituído por mulheres, mas apenas 12,6% em cargos de chefia ou superiores. E apenas 6.4% de mulheres chegam ao topo da sua carreira, 18.8% dos seus pares do sexo masculino.[1]
#ChooseToChallenge – Tornar a academia um local com maior igualdade de oportunidades para homens e mulheres significa ter em conta que a vida pessoal não é totalmente separável da vida profissional. [1]

Em Portugal, 62% dos doutorados em Ciências Naturais, Matemática e Estatística são mulheres. No entanto, a proporção de mulheres em altos cargos académicos e de tomada de decisão desce para 30,2% em Ciências Naturais e até 10,6% em Engenharia e Tecnologia. [2]
#ChooseToChallenge – Alcançar o balanço de género é reconhecer a excelência das cientistas, tendo em conta que as suas escolhas de vida pessoal são distintas mas que têm de ser consideradas, uma cientista de excelência não deve ser penalizada em detrimento de um par, por escolher ser mãe, ou dedicar mais tempo à família.

Grupos de investigação liderados por mulheres publicam artigos nos quais mais de 60% das  co-autoras são mulheres, esta percentagem desce para menos de 20% quando os grupos são liderados por homens. [3]
#ChooseToChallenge – Para alcançar a igualdade de oportunidades, os homens têm de ser mais do que aliados, têm de tomar consciência do enviesamento de género na ciência e tomar acção

Através da Ecologia sabemos que é a diversidade dos sistemas naturais que os torna mais resilientes, resistentes e com capacidade de adaptação, as respostas para alcançar o equilíbrio de género têm de ser igualmente diversas para poderem ser bem sucedidas. [1]

Por isso a SPECO agradece a todas as nossas associadas que oferecem o seu pouco tempo livre, a servir os interesses duma sociedade científica como a nossa. Bem hajam!

Referências:

[1] https://www.cell.com/trends/ecology-evolution/fulltext/S0169-5347(04)00346-5

[2] https://www.publico.pt/2020/09/18/p3/noticia/ciencia-voz-mulheres-ciencia-ja-ouve-portugal-1931926

[3]  Salerno, Patricia & Páez-Vacas, Mónica & Guayasamin, Juan & Stynoski, Jennifer. (2019). Male principal investigators (almost) don’t publish with women in ecology and zoology. PLOS ONE. 14. e0218598. 10.1371/journal.pone.0218598.

Para saber mais sobre as diferenças de género na ciência:

Martin, Laura. (2012). Where are the women in ecology?. Frontiers in Ecology and the Environment. 10. 177-178. 10.2307/41480047.

Pettorelli, Nathalie & Evans, Darren & Garner, Trenton & Katzner, Todd & Gompper, M. & Altwegg, Res & Branch, Trevor & Johnson, Jeff & Acevedo-Whitehouse, Karina & Davolls, Linda & Rantanen, E. & Gordon, Iain. (2013). Addressing gender imbalances in Animal Conservation. Animal Conservation. 16. 10.1111/acv.12032.

Cameron, Elissa & White, Angela & Gray, Meeghan. (2016). Solving the Productivity and Impact Puzzle: Do Men Outperform Women, or are Metrics Biased?. BioScience. 66. biv173. 10.1093/biosci/biv173.