A Rede Portuguesa de Restauro Ecológico foi oficializada a 2 de Agosto de 2019 no âmbito do 15º Congresso da Federação Europeia de Ecologia, na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. 

A oficilização deu-se através de assinatura de um protocolo entre a Society for Ecological Restoration Europe (SERE; Sociedade Europeia de Restauro Ecológico) e a SPECO. A assinatura do protocolo ficou marcada pelos discursos das investigadoras que actualmente coordenam a Rede, Alice Nunes -  investigadora do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais – cE3c (FCUL) - e Patricia Rodríguez González - investigadora do Centro de Estudos Florestais – CEF (Instituto Superior de Agronomia) -, bem como de Melinda Halassy, representante da Direcção da SERE.

Rede Portuguesa de Restauro Ecológico

A apresentação pública foi antecedida pelo 1º Encontro da Rede que teve lugar a  21 de março e que contou com a presença de 53 profissionais de restauro ecológico vindos de norte a sul do país – na sua maioria investigadores, mas também profissionais da administração pública, entre os quais representantes do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), de empresas públicas e privadas, organizações não governamentais, e também estudantes e sociedade civil. O encontro contou ainda com a apresentação de Jordi Cortina (Coordenador da SERE) sobre a missão e trabalho da SERE.

Actualmente a rede LTER Portugal integra 4 sítios/plataformas e integra a infraestrutura PORBIOTA do Roteiro Nacional de Infraestruturas de Investigação de Interesse Estratégico, da qual a SPECO é entidade parceira, permanecendo como dinamizadora da rede em Portugal. 

Actualmente, são já mais de 200 membros os profissionais e entidades inscritos na Rede Portuguesa de Restauro Ecológico, representando áreas tão diversas como o restauro de florestas e agro-florestas, de pedreiras e minas, áreas afetadas pela construção de infra-estruturas (ex. estradas), áreas urbanas, rios e zonas húmidas, zonas costeiras incluindo sistemas dunares, ecossistemas marinhos (ex. pradarias marinhas) e ecossistemas insulares, incluindo temas mais específicos como a recuperação de áreas ardidas ou o controlo e erradicação de espécies invasoras.

Image

A Rede tem como principais funções e prioridades:

  1. Reunir e partilhar informação sobre o restauro ecológico em Portugal; criar uma base de dados de projectos de restauro ecológico em Portugal com as respectivas localizações; criar uma plataforma de partilha;
  2. Facilitar a comunicação dentro da rede e dinamizar iniciativas com outras organizações e sociedades: organização de um congresso nacional; elaborar publicações conjuntas (p. ex relatórios, artigos, livros, manuais de boas práticas); fomentar a colaboração com entidades públicas e privadas; divulgar legislação aplicável e oportunidades de financiamento;
  3. Formação técnica: realizar cursos, workshops, seminários técnicos;
  4. Promover acções de divulgação e sensibilização para a sociedade, empresas privadas e administração pública; publicação de revista ou newsletter; divulgação de boas práticas;
  5. Transferência de conhecimento para decisores políticos: formar um comité científico de aconselhamento; produzir relatórios técnicos conjuntos; dinamizar e elaborar uma estratégia de valorização do restauro ecológico em Portugal.

Os investigadores interessados em participar na Rede Portuguesa de Restauro Ecológico devem contactar as investigadoras Alice Nunes e Patrícia Rodríguez González através do email:

Society for Ecological Restoration

A Rede Portuguesa de Restauro Ecológico é uma parceira da rede SER Europa - Society for Ecological Restoration.

Notícias relacionadas

Mais notícias