top of page
  • Foto do escritorSPECO

Planta do Ano 2024

Portugal botanicamente desconhecido


A SPECO incentiva esta campanha, através da sua divulgação e apela a todos vós a votar na Planta do Ano 2024, no sentido de fortalecer uma sociedade mais ecológica e conhecedora do nosso Portugal botanicamente desconhecido.


A entidade promotora, a Sociedade Portuguesa de Botânica, deseja alertar, com a campanha Planta do Ano 2024, para a necessidade de valorizar os conhecimentos de florística e taxonomia em Portugal, que se encontram à margem dos currículos académicos e das principais vias de financiamento científico.


De 10 de 28 a Fevereiro de 2024


A candidata vencedora será anunciada a 29 de fevereiro de 2024.



Passamos a transcrever na íntegra a descrição de cada uma das candidatas:


Fazendo eco ao lema da Planta do Ano 2022, a Linaria ricardoi (um endemismo de confiança), a descrição das pombinhas-do-guadiana (Linaria pseudamethystea) em 2023 é testemunha do potencial de descobertas que permanecem por fazer no género Linaria, de que, em pleno século XXI, se continuam a descrever novas espécies na Península Ibérica quase todos os anos. Esta espécie colhida pela primeira vez por Frederico Welwitsch em 1847, é endémica do Sudoeste da Península Ibérica, estando em Portugal praticamente circunscrita ao vale do #Guadiana. Foi historicamente confundida com a Linaria amethystea, daí o seu epíteto específico. Procure-a em flor entre fevereiro e abril, contribuindo para mapear a distribuição desta espécie em Portugal, e ganhe confiança para explorar o taxonomista que há em si.


Apenas 27 das cerca de 2800 espécies de plantas vasculares da flora de Portugal Continental são parasitas estritas, ditas holoparasitas. Para este restrito grupo de menos de 1% sem clorofila, entrou a erva-toira-de-noudar (Orobanche nepetae) descrita para a ciência em dezembro de 2023. Do que se sabe, parasita exclusivamente uma espécie de labiada, a nêpeta-do-sul (Nepeta multibracteata). Reduzida a cinco núcleos de ocorrência de uma única população, esta espécie foi preliminarmente avaliada, aquando da sua descrição, na categoria Em Perigo Crítico de extinção em Portugal. Para assegurar a sua conservação é imperioso conservar os #azinhais bem preservados onde habita na Herdade da Coitadinha, Barrancos. Aparentemente fiel à sua planta hospedeira, em maio, procure-a na população de nêpeta-do-sul mais perto de si.


Uma nova espécie de funcho descoberta na Europa no século XXI? Também às portas de Lisboa, se podem descobrir plantas novas para Portugal. Foi o que aconteceu com o #funcho-limão (Foeniculum sanguineum). Surpreendentemente, esta espécie foi apenas descrita em 2015, de Espanha e Marrocos, e identificada em Portugal, pela primeira vez, em 2023. Embora haja registos de herbário deste funcho em Portugal desde o século XIX, passou debaixo do nariz de botânicos e outros naturalistas que já o haviam fotografado antes. O nome comum desta nova aromática carismática deve-se à presença de limoneno, especialmente concentrado nos frutos. Convidamos todos a continuarem a partilhar as observações desta espécie em #Portugal no desafio #botânico criado no #Biodiversity4All para esta espécie.




Saudações ecológicas.



78 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page